Memórias de Maria do Carmo F. Guabiroba Coelho

O rio São João, antes de passar no centro da cidade, debaixo da ponte, onde havia um bilhar, passava onde começava a estrada para Capelinha. Era aí que íamos brincar e levar almoço para Maria lavadeira. Era um lugar mais afastado e por isso mais discreto também, para tomar banho e pescar lambaris.

Segunda – feira era o dia de lavar roupa lá em casa. Era o dia de preguiça para a escola, mas em compensação tinha a brincadeira e o banho de rio, que muito nos alegrava. Cedo, antes de a gente ir para a escola, na segunda- feira, chegava a Maria lavadeira para buscar a roupa. Maria era lavadeira de confiança, não precisava pôr escrito o rol da roupa. (...) O rio era raso e a gente atravessava a pé. Achava uma delícia pisar na água, muito transparente, enxergando os pés afundarem na areia. Depois de atravessar, íamos andando rio acima, á sua margem, até o local onde a Maria lavava a roupa. Pois havia diversas lavadeiras e cada uma tinha o seu local, escolhido por elas mesmas, de acordo com a conveniência de cada uma.

E a Maria gostava de ficar bem longe, lugar mais discreto, onde colocava a sua pedra de bater roupa. Eram pedras grandes e lisas onde as lavadeiras batiam as peças de roupa para ficarem limpas e claras.

(...) Ao chegarmos ao local onde Maria lavava, entregávamos a ela o almoço e, enquanto ela descansava, nós caíamos na água. Os peixinhos eram muitos mesmo, e a gente os pescava com peneiras. Fazíamos isso só pelo prazer de pescar, jogávamos os peixinhos na água novamente, porque também tínhamos pena deles.

 

(Adaptado do livro Nuvens de Algodão. FUMARC: Belo Horizonte, 1995 por Cristielle M. F. Pimenta)

CEVHIC David Pimenta© 2012 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode